Você está visualizando atualmente Trombetas

Trombetas

Lembro do amanhecer no rio, da primeira vez que cortei suas águas, ainda menina, cuidando da viagem de outros meninos como eu… que, aparentemente, nunca haviam navegado o Trombetas.

A diferença é que naquele dia tive certeza de que retornava. Revia. Revivia. Segura de que não só estive, como vim de lá. Certa de que nasci neste universo abundante de terras e águas pretas.

Desde então, a sensação é sempre a mesma. A de ser recebida pela família, a de chegar em casa, a de tornar a ser quem jamais deixei de cultivar. Como a resina da castanheira, vibrante, vermelha. Orgulhosa de brotar num tronco tão forte.

Protegida, sacudida. Por vislumbrar a luta do ponto de vista de quem sabe bem como é enfrentar. De quem ainda se culpa por hoje estar uma parte do lado de cá… [re]conhecendo a fundo que este não é o seu[meu] lugar.

Texto e fotos: Ana Gabriela Fontoura.

Este post tem 6 comentários

  1. Vivianne

    Lindo texto! Quem te conhece sabe o quanto você se identifica e é parte dessas paisagens amazônidas.

    1. Estaçao Gabiraba

      Muito obrigada, Vivi! Por ser a primeira pessoa a deixar um comentário aqui, pelo incentivo sempre, pelas palavras que acolhem e por sua amizade, que é um presente do tamanho do rio Amazonas na minha vida. Gratidão e saudade!

  2. Irenalica

    Hello, I want to work in your company on a voluntary basis, can you offer me anything?
    a little about me: https://about.me/iren

  3. Madelene

    Texto maravilhoso 😍🤗 vc é uma inspiração…🤗🍃

  4. bahis oyna

    Really informative article post. Really looking forward to read more. Fantastic. Ricardo Carfora

Deixe um comentário